domingo, 29 de dezembro de 2013

A FLOR DO SONHO...

                Óleo sobre tela por Martin Johnson Heade

A Flor do Sonho, alvíssima, divina, 
Miraculosamente abriu em mim, 
Como se uma magnólia de cetim 
Fosse florir num muro todo em ruína. 

Pende em meu seio a haste branda e fina 
E não posso entender como é que, enfim, 
Essa tão rara flor abriu assim! ... 
Milagre ... fantasia ... ou, talvez, sina  ... 

Ó Flor que em mim nasceste sem abrolhos, 
Que tem que sejam tristes os meus olhos 
Se eles são tristes pelo amor de ti?! ... 

Desde que em mim nasceste em noite calma, 
Voou ao longe a asa da minha’alma 
E nunca, nunca mais eu me entendi ... 

Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"

RECEITA DE ANO NOVO


Receita de Ano Novo


Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Texto extraído do "Jornal do Brasil", Dezembro/1997.
Carlos Drummond de Andrade




  Desejamos a vocês leitores de nosso blog,
  sinceros votos de Feliz Tudo!

  Salve 2014!




domingo, 1 de dezembro de 2013

SOMBRA...



As três verdades da vida


1 - Não se preocupe com as pessoas do seu passado:
Há uma razão pela qual elas não estão em seu presente e outra pela qual não chegarão ao seu futuro...

2 - Uma pessoa muda por duas razões:
Porque aprendeu demais, ou porque sofreu o suficiente...

3 - Não dependa de ninguém na sua vida, só de DEUS, pois até mesmo sua sombra o abandonará quando você estiver na escuridão...

sábado, 23 de novembro de 2013

QUANDO CRESCER...


"Quando fores crescido, hás de querer ser feliz. Por enquanto não pensas nisso e é por isso mesmo que o és. Quando pensares, quando quiseres ser feliz, deixarás de sê-lo."
 José Saramago

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

"TURMA DO BARULHO" EM FESTA



O melhor da moda, da gastronomia, os livros mais lidos...
Não, isso não é um desses programas que passam às tardes na TV
Nem tão pouco um suplemento feminino de jornal ou revista.

Esse é um daqueles dias em que desejamos que tudo volte a ser passado.
Lembramos dos filhos ainda pequenos, dos momentos felizes, 
de planos desfeitos, de sonhos realizados, da vontade de sempre renovar...

A saudade não tem espaço porque, por alguns instantes, tudo se torna presente,
pois levamos conosco todas as alegrias vividas por onde passamos.
E todas as energias se juntam num só movimento de gestos e risos incontidos
nessas reuniões com amigos que, mesmo distantes, fazem parte de nossas vidas
numa sintonia indiscritível que a vida não explica.

Os preparativos a todo vapor anunciam que um novo encontro se aproxima.
Com a alma em festa, aguardando que logo chegue o dia,
um poema de Fernando Pessoa me inspira a celebrar desde já 
o que representa o que chamamos a "Turma do Barulho".

Eu amo tudo o que foi
Tudo o que já não é
A dor que já me não dói
A antiga e errônea fé
O ontem que a dor deixou,
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.

DESCONSTRUINDO O IMPOSSÍVEL

Sung Bong Choi foi abandonado por seus pais quando ele tinha três anos em um orfanato e, dois anos mais tarde, escapou do local devido ao fato de sofrer agressões no local. Desde então, vivia nas ruas ...

Aos 22 anos, vejam o que aconteceu:




“Quantos anos você tem?”, perguntou um dos jurados do reality show australiano X Factor ao candidato que se identificou como Emmanuel Kelly. “Na verdade, não tenho certeza”, respondeu o jovem que sorria timidamente no palco. Nascido no Iraque, país devastado por conflitos domésticos e guerras intermináveis, ele ignorava a idade exata quando um grupo de freiras, em 2002, encontrou a caixa de sapatos que dividia com o irmão Ahmed Mustafa. Nenhum deles tinha documentos. Também lhes faltavam as mãos e parte das perna.

Ambos foram adotados. O irmão e a mãe viram no fundo do palco a reação comovente dos espectadores e dos jurados. Em lágrimas, todos ovacionaram a interpretação de Imagine, o clássico de John Lennon.
Veja isto. Ouça. E deixe a emoção seguir seu curso.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

OUTUBRO

Elton Simões

No Norte, perto da ponta do mundo, Outubro traz o Outono. As cores mudam. As árvores desfilam cores diferentes. Vestem-se, em diferentes tonalidades de amarelo ou vermelho, provavelmente causando inveja aos pinheiros que, teimosamente, permanecem verdes

Outubro inaugura aquela época do ano em que já se pode encarar o ponto randômico no tempo que escolhemos para marcar a passagem do ano. O ano novo fica visível como um ponto de luz no fim do túnel. Próximo o suficiente para ser visto, mas longe demais para determinar sua substancia.

Visto de outubro, a luz do ano novo não permite dizer se por ai vem o trem ou o fim do túnel. Apenas que a luz esta lá, chegando cada vez mais perto no ritmo da batida do relógio. A cada tic, e em todos os tac, o ano novo fica mais perto, mais nítido, mas igualmente incerto.

É nesta altura do ano em que começamos a nos convencer que o ano está definido. O que será, será. Ou já foi. Dá para olhar para trás e ver as oportunidades perdidas sem, no entanto, conseguir ressuscita-las ou reverte-las antes que acabe o ano gregoriano.



Dá para lembrar e esperança do começo do ano. As promessas de vida melhor. As previsões de PIB maior com inflação menor. A impressão de que a justiça, enfim, embora muito tardia, poderia, uma vez ao menos, não falhar.

Dá para lembrar-se do povo se encontrando na rua buscando, pacificamente, uma vida melhor, mais justa, mais cheia de esperanças e menos tomada por promessas frustradas. O gigante que (parecia) havia acordado voltou a descansar. Ou talvez a apatia esteja irremediavelmente tatuada em seu DNA.

De outubro, dá para ver que, para acalmar o gigante, bastou apenas que lhe fossem administradas algumas doses dos flácidos solilóquios que fazem dormitar bovinos. A esta altura, em sono profundo e em berço de qualidade duvidosa, o gigante apenas sente a dor de não ser e a vergonha de já ter sido. E nada mais.

Talvez esquecer alivie o desconforto causado pela diferença entre intenção e fato. Mas memória tem suas crueldades. É às vezes até sádica. Com dificuldade, aprende a se lembrar. Mas jamais aprende a esquecer. Outubro é quando dá para sentir o quanto a esperança é bela. E o quanto é frágil.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

A BANALIZAÇÃO DO MAL




Compartilho este texto com os leitores de nosso blog, embora extenso; para reflexão!

Blog Sombra Lua

“Não peço nada, eu não quero me envolver,
Na rua nua em cada cara uma desgraça.
Há tanta gente procurando esquecer,
Que a vida é à-toa, a morte chega e tudo passa.

Não peço nada, eu não quero me envolver,
Até a lua tem as nuvens por mordaça.
Assassinada mesmo antes de nascer,
A esperança sobe aos céus como fumaça.”

In: Um Grito Parado No Ar – de Toquinho e Gianfrancesco Guarniere


A mulher é assassinada pelo ex companheiro que não aceita a separação. Família de policiais é dizimada numa única noite. Policiais e juízes honestos são exterminados. Moradores de favelas desaparecem nas mãos da polícia que deveria promover a “pacificação”. Adolescente mata colega por ciúmes do namorado. Homem que denunciava extratores ilegais é abatido em emboscada. Mulher mata mãe de um recém-nascido para sequestrá-lo. Gays são supliciados em plena avenida Paulista. Mulheres são perseguidas, violentadas e mortas.

Mata-se da mesma forma com que se exterminam baratas.

E seguimos assistindo, entre perplexos e horrorizados, uma violência imensa e crescente contra inocentes e vulneráveis seres humanos.

A filósofa Hannah Arendt nos alertou para o fato de que por trás de todo o mal existem pessoas banais escondidas em seus gabinetes. Frisou que o mal carrega em si o potencial de se espalhar como um fungo e que isso só acontece por causa da incapacidade das pessoas pensarem sobre o que está ocorrendo de fato. Sobre o que elas e seus pares estão fazendo de verdade. No fundo, sobre as consequências de seus atos.


Propôs, enfim, que deixássemos de enxergar banalidade em qualquer forma de mal concebendo, enfim, a espantosa pluralidade da condição humana. Que prestássemos muita atenção na perigosa banalização do mal.

O que vemos hoje é a institucionalização do mal, democraticamente distribuído entre os poderes constituídos e absolutamente mergulhado em um sistema político que promove a violência e a coerção – que são aceitas como “parte integrante”  do processo civilizatório monopolizado pelo Estado que, em nome de salvaguardar-se, institucionaliza e burocratiza o mal.

A audiência da novela das nove onde destacam-se e, de certa maneira, enaltecem-se comportamentos pouco éticos e profundamente amorais da esmagadora maioria dos protagonistas, é um exemplo bastante contundente deste panorama. Ali, de tudo o que há de ruim existe um pouco: a mocinha pobre que sonha em dar golpe da barriga incentivada pela mãe que, provavelmente, se prostituiu na juventude; o jovem médico que flerta com o chefe homossexual para subir de posto; a médica que registra ilegalmente uma criança e, depois, provoca a morte de uma enfermeira; o irmão que joga o sobrinho no lixo; o médico que trai a esposa reiteradas vezes; a esposa que tolera tais mal tratos; o estudante carreirista que usa uma mulher mais velha para se dar bem; a moça gordinha desesperada para transar; a prostituta que casa com o filho homossexual do amante; a secretária que dá o golpe…. são tamanhas sandices e mau-caratismos que torna-se desnecessário continuar a contar.

A degradação humana, filtrada por oportunistas critérios de classe – que tantas vezes apontam para a responsabilidade da miséria e do crime ‘que descem a favela’, fechando os olhos para os motivos que fizeram a miséria e a favela existirem – é ainda revertida como sucesso de público para o espetáculo humano que, à moda de uma tragédia grega, é mostrado pelos canais de TV ao vivo e em cores, alcançando uma plateia anestesiada e incapaz de articular causas e consequências.


E por que ficamos tão reduzidos em nossa capacidade crítica frente a claros e flagrantes exemplos de violência e injustiça?

Sabemos que o aparelho psíquico não tem condições de elaborar a visão de um episódio violento sem ser atingido de maneira brutal na sua essência. Logo, numa ação de autodefesa, nosso psiquismo passa a observar a cena como se esta fizesse parte de uma novela, como se não fosse real. E toda a reflexão crítica daquele ato em si fica comprometida ou nem sequer é realizada.

Em outras palavras: cada vez que uma cena de violência é exaustivamente apresentada na televisão, por exemplo, nosso psiquismo a captura com o mesmo impacto. Todas as vezes – e como se fosse a primeira vez. Isso traz repercussões psíquicas. Podemos nos tornar fóbicos, neuróticos, delirantes ou, simplesmente, alienados.

Nesta medida é possível sentir-nos bons e justos diante de um mundo mesquinho e cruel, como se não fizéssemos parte deste universo. Há uma certa descarga emocional quando experimentamos esta (aparentemente) confortável e distante visão do ‘mal alheio’. Porém, é justamente ela que nos faz permanecer imobilizados. Temos, daí, a impressão de que tudo ‘aquilo’, que obviamente é errado e insano, pertence ao outro; e tal consciência parece suficiente para nos fazer adquirir algum mérito moral.

Não nos envolvendo com o mal, tornamos-nos parte dele no que ele traz de mais nefasto: o silêncio.


E, então, matar torna-se banal.

O pai que mata a filha. O vizinho que mata o síndico. A mãe que mata o marido. O policial que mata o suspeito. O filho que mata a avó. O operário que mata o supervisor. O assaltante que mata a vítima. O patrão que mata a empregado.

O suspeito chega na delegacia e é torturado para falar o que desejam que conte. Ele não fala e morre sob tortura. Se você não fizer o que se exige alguém pode lhe matar. Sua vida não tem quase nenhum valor. Se você for pobre este valor torna-se ainda menor.

E, deste jeito, a vida perdeu grande parte do seu significado único e sagrado. A cultura do medo, associada à cultura do mal, transformou esta magnífica e preciosa experiência em algo cada vez mais habitualmente descartável.
Por isso, é urgente que, neste processo de naturalização da sociedade e de artificializarão da natureza, a coletividade reencontre o criativo olhar para si e para o mundo, de uma maneira dinâmica e dialética. Propondo-se a dissolver tanto mal e tornar a violência um dos atos finais do intolerável clima de cumplicidade que impera nesta sociedade selvagem e indiferente.


Que os bons parem de fazer a cômodo moderação perante o barulho dos maus!

Ou continuaremos morrendo como cavalos.

Afinal, como diria Horace McCoy em seu romance retratando o auge da depressão norte-americana quando a maioria da população, sofrendo com o desemprego, carecia de uma vida digna, “They shoot horses, don’t they? ” (Eles não matam cavalos?)

Acompanhe os novos textos através do: www.facebook.com/aheloisalima


quarta-feira, 9 de outubro de 2013

ACOLHIMENTO...

Richard S. Johnson

Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silencio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

Cora Coralina

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

TRISTEZA....

                                                                  Allan R. Banks paintings


Teus olhos têm uma cor
de uma expressão tão divina,
tão misteriosa e triste.
Como foi a minha sina!!!

É uma expressão de saudade
vagando num mar incerto.
Parecem negros de longe...
Parecem azuis de perto...

Mas nem negros nem azuis
são teus olhos meu amor...
Seriam da cor da mágoa,
se a mágoa tivesse cor.

Florbela Espanca

terça-feira, 24 de setembro de 2013

PALAVRAS DE CONFORTO


O solitário que se sente infeliz ainda não 
aprendeu a ser solidário. Cultivar a solidariedade
é o seguro meio de evitar a solidão. Quem
 é solidário nunca será um solitário.

(Viver em Deus) Hermógenes


Continuaremos infelizes e agitados enquanto imprudentemente pretendermos guardar para sempre o fruto de nossas conquistas, pois são todos temporários. Temos que aceitar, com calma e sabedoria, alguns despojamentos que não podemos evitar. É melhor nutrir a convicção de que somos donos de absolutamente nada. Tudo é emprestado. Por isto só se apaixone pelo eterno. 

(Cintilações 2 - Hermógenes)

Feliz dia a todos!


domingo, 22 de setembro de 2013

QUANDO VIER A PRIMAVERA



Quando vier a Primavera, 
Se eu já estiver morto, 
As flores florirão da mesma maneira 
E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada. 
A realidade não precisa de mim. 

Sinto uma alegria enorme 
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma 

Se soubesse que amanhã morria 
E a Primavera era depois de amanhã, 
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã. 
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo? 
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo; 
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse. 
Por isso, se morrer agora, morro contente, 
Porque tudo é real e tudo está certo. 

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem. 
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele. 
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências. 
O que for, quando for, é que será o que é. 

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos" 
Heterónimo de Fernando Pessoa



Viva a primavera, estação das flores, dos pássaros, dos amores, da vida e da alegria!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

SURPRESA INESQUECÍVEL


Musicos, bailarinos, coristas e orquestrantes da Viena Volksoper se camuflaram primeiramente entre os passageiros que estavam aguardando na Estação Ferroviária da cidade. Depois sacaram seus arcos e violinos improvisando a música mais conhecida da opera de Carl Orff “Carmina Burana”, deixando todos os presentes encantados. 

Isto foi o que aconteceu no dia 23 de abril de 2012 em um flash mob com o objetivo de aproximar as pessoas à ópera: A julgar pelo rosto das pessoas, o objetivo foi atingido, muitos dos passageiros ficaram surpresos e se divertiram com a apresentação.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

SE FOSSEM MEUS FILHOS







Se fossem meus filhos e tivesse que aturar uma enxurrada de perguntas e interrogações, não me importaria. Conversaria sobre as coisas da vida, contaria estórias, diria tudo o que quisessem saber, mas teria a humildade de admitir qualquer dificuldade quando não soubesse responder.

Se fossem meus filhos, levaria ao parque, ao circo, à praia. Compraria biscoito, bala, sorvete. Iríamos passear quando tivéssemos vontade, aproveitar os momentos de folga. Mas se batesse a preguiça, ficaríamos em casa assistindo a um filme e comendo pipoca.

Se fossem meus filhos, jamais aceitaria que se tornassem orgulhosos e quisessem ser melhor que os outros. Por outro lado, porém, mostraria também que ninguém é melhor que eles. E que não precisariam se humilhar nem fazer o que os outros ordenam para se sentirem aceitos em um grupo popular, na escola ou na vizinhança. Os melhores amigos são aqueles com os quais temos afinidade ou que respeitam as diferenças, não os que nos forçam a mudar o nosso jeito de ser.

Se fossem meus filhos e percebesse o olhar triste, faria peripécias para tentar alegrar seus dias.
Mas para algumas pessoas, aceitar orientação, dedicação e amor incondicional é, muitas vezes, mais difícil do que concedê-los.
(Observem no meio de tantos sorrisos, há sempre alguém com semblante de dor. Bastou um tropeção de uma pessoa estabanada, eis que surge o sorriso mais lindo de todos - comparem as fotos)

Se fossem meus filhos, morreria de tristeza se trocassem nosso lar, que eu cuido com tanto carinho, pelas ruas e praças nas quais a morte vive à espreita. Sair de casa, - tudo bem se casaram ou foram trabalhar em outra cidade - somente se for para conquistar sua independência, jamais para serem escravos das desgraças do mundo. 

Na verdade, não dá para imaginar que se torne banal, como nunca antes se viu, que crianças e jovens vivam ao relento, a ponto de não se fazer nada, ou quase nada, pior ainda, recriminar quem o faz acusando de ferir o direito à liberdade.

Que liberdade se encontra na sarjeta, meu Deus?
Esse tipo de pensamento nos lança no campo do absurdo.

Se mesmo assim falhassem todas as tentativas de oferecer o melhor dos mundos e outro caminho fosse o escolhido, talvez seria eu que tivesse que mudar. Esperamos, nesses casos, que os filhos deem alguns passos de volta a um novo começo, mas será que teriam forças sozinhos? Decidir mudar pode significar um passo em direção a esses filhos.

Não teria que esperar que tudo estivesse bem para celebrar um possível retorno, mas poderia festejar cada instante de aproximação, sem estabelecer condições, apenas confiar no reencontro e preparar meu coração para receber de volta filhos diferentes daqueles que viviam comigo antes da infeliz jornada.

Ah, se fosse tão fácil!
Imagino o sofrimento do Pai, como é difícil apenas esperar que voltemos para casa e Ele espera por todos nós.

(Agradeço a Deus os filhos que tenho, mas isso não diminui a angústia de ver tantos filhos no fundo do poço. Os que acham bacana entrar nessa vida deveriam conhecer a realidade que os aguarda).

DIGA-ME COMO COMES E TE DIREI QUEM ÉS

O vídeo de 1:42 mostra o comportamento da multidão diante de bolos gigantescos oferecidos gratuitamente a comensais do Canadá, da Indonésia, do México e do Brasil. A julgar pelas cenas inverossímeis, só os nativos da potência sul-americana ainda não sabem o que é comer três vezes por dia, conforme Lula prometeu em 2003, quando criou o falecido Programa Fome Zero.
Por Augusto Nunes

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

AMIGA



Amiga

Deixa-me ser a tua amiga, Amor,
A tua amiga só, já que não queres
Que pelo teu amor seja a melhor
A mais triste de todas as mulheres.

Que só, de ti, me venha magoa e dor
O que me importa a mim? O que quiseres
É sempre um sonho bom! Seja o que for,
Bendito sejas tu por mo dizeres!

Beijá-me as mãos, Amor, devagarinho...
Como se os dois nascessemos irmãos,
Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho...

Beija-mas bem!... Que fantasia louca
Guardar assim, fechados, nestas mãos,
Os beijos que sonhei pra minha boca!

Florbela Espanca

domingo, 25 de agosto de 2013

S O R R I R

Figura do blog Raquel Art Pintura
                                           
Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz

Charles Chaplin

quarta-feira, 31 de julho de 2013

(BENDITA) BANALIZAÇÃO DO BEM

Foto: Q imagem linda destes DOIS Franciscos !!! <3

Foto: "QUE AS MUDANÇAS ....COMECEM DENTRO DE CADA UM DE NÓS....PARA UM MUNDO MELHOR....BOTE FÉ"

Zuenir VenturaO Globo

Nesses tempos sombrios de violência, guerra, miséria e fome, em suma, da chamada banalização do Mal, é sintomático que o Papa Francisco tenha conseguido um extraordinário sucesso pregando justamente o contrário, algo como a banalização do Bem.

A sua foi a primeira voz autorizada de alcance planetário a se levantar contra a razão cínica em voga, propondo em seu lugar um círculo virtuoso, uma espécie de revolução ética contra a cultura do provisório, da exclusão e do descartável.

Quem sabe ele não estará pondo fim a um ciclo de produção do mal como energia incontrolável? O filósofo francês Jean Baudrillard, estudioso do tema e cético quanto à sua erradicação, achava inevitável o funcionamento das sociedades sobre a base da “disfunção, do acidente, do catastrófico, do irracional”. Na sua opinião, “dizer que tudo isso pode ser exorcizado, erradicado, significa insistir numa perspectiva religiosa da salvação”.

Pois durante a semana que passou entre nós, foi nessa perspectiva que o Papa insistiu, distribuindo esperança e atualizando antigos valores e virtudes como a solidariedade e a tolerância, esquecidos ou “fora de moda”.

Ele pode até ser criticado pelo que calou (aborto, preservativo, célula-tronco), mas não pelo que falou de outros temas tabus: “Se uma pessoa é gay, quem sou eu para julgá-la?” “A mulher na Igreja é mais importante que os bispos e os padres”.

A maior novidade de seu discurso inovador é que a reforma moral proposta por ele deve passar pelo diálogo e o encontro, não pelo confronto. Pela compreensão, não pela animosidade. Nunca pela intransigência e o radicalismo. Essa talvez seja a melhor contribuição para a paz do evangelho segundo Francisco.

Ao facilitarem o trabalho dos garis ajudando a recolher o lixo depois dos eventos, os peregrinos deram uma lição de educação para os foliões sujismundos e mijões, que no carnaval espalham detritos nas ruas e urinam nas calçadas, canteiros e até através das grades dos edifícios. Mais um legado de civilidade deixado pelos alegres fiéis da JMJ.

Por falar em onda do bem: o Instituto do Cérebro Paulo Niemeyer, que está sendo inaugurado, impressiona não só porque é um dos mais bem instalados e equipados do mundo, mas também por ser uma obra “padrão Papa”, ou seja, é excelente e não se destina aos privilegiados, e sim aos necessitados do SUS. E pensar que, com o que foi gasto com muitos dos estádios que vão virar elefantes brancos depois da Copa, algumas dezenas desses hospitais podiam ser construídos pelo Brasil afora.

terça-feira, 30 de julho de 2013

NUNCA NINGUÉM DISSE TANTAS VERDADES EM TÃO POUCO TEMPO



O Papa  se refere ao padrão de comportamento dos que têm complexo de inferioridade, dos que pensam que há necessidade de desmoralizar o outro para conquistar coisas como poder e sucesso. 

Como são "baixos" os que agem assim! 

Assim fazem certos poderosos medíocres, sabem que o são, por esse motivo investem contra a imagem de quem tem valor.


Por outro lado, a humildade consiste em reconhecer os méritos do outro, como também suas próprias fraquezas e dificuldades. Isso não humilha, muito pelo contrário, engrandece quem o faz.

Decidir entre a arrogância dos que querem aparentar que sabem tudo ou desistir de seguir adiante por não se considerar preparado para ação política, social ou evangelizadora, omitindo-se e permitindo que qualquer um exerça esses papéis, são dois extremos do que geralmente acontece e os resultados são desanimadores.

Muitas vezes esse é um dos dilemas do cristão que quer servir a Deus mas não tem segurança do que é capaz. As palavras do Papa Francisco, no entanto, nos encorajam:

"Eu não tenho nenhuma preparação especial, como é que posso ir e anunciar o Evangelho"? Querido amigo, esse seu temor não é muito diferente do sentimento que teve Jeremias, um jovem como vocês, quando foi chamado por Deus para ser profeta. Acabamos de escutar as suas palavras: "Ah! Senhor Deus, eu não sei falar, sou muito novo". Deus responde a vocês com as mesmas palavras dirigidas a Jeremias: "Não tenhas medo… pois estou contigo para defender-te" (Jr 1,8). Deus está conosco!"
(Papa Francisco)


domingo, 28 de julho de 2013

PAIXÃO...AMOR...ROSAS...VERMELHAS

Ao casal Sarah e Alexandre, felicidades!!! Não poderia deixar de comentar...cerimônia linda...música maravilhosa...ambiente familiar...tudo perfeito...rosas vermelhas...belas...como a paixão e o amor!
Parabéns aos noivos, aos pais; em especial à mãe da noiva minha parceira deste blog!


Esta foto é de minha autoria. Uma rosa retirada do arranjo da mesa ao final da festa (com autorização, é claro...)


sexta-feira, 26 de julho de 2013

GUIRLANDA DE FLORES


Ao ler a Revista Bons Fluidos deste mês, encantei-me com a capa  e a reportagem sobre as mandalas.  O colorido das flores  chamou-me atenção e senti imensa vontade de compartilhar com nossos leitores.  A artista plástica Kathy Klein, autora destas belas imagens; procurava um sentido na vida (levar amor ao próximo). Obteve a resposta durante suas meditações. Ao criar o primeiro mandala que chamou de (danmala) que em sânscrito "dan" significa dar e "mala" guirlanda de flores.

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-


 O trabalho de Kathy, disponível em http://www.danmala.com

No site da mesma revista há ainda este vídeo de uma artista portuguesa Barbara Almeida, que confecciona lindas mandalas.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

SINAIS DIVINOS

Hoje aconteceu algo especial na Audiência Papal, o Papa Francisco fazia uma saudação e de repente pousou uma pomba branca na sua mão, fato que lembrou São Francisco de Assis.

Foto: Hoje aconteceu algo especial na Audiência Papal; o Papa Francisco fazia uma saudação e de repente 
pousou uma pomba branca na sua mão, fato que lembrou São Francisco de Assis.

QUE A MENSAGEM DESTE PAPA ABENÇOADO TOQUE NOS CORAÇÕES DOS BRASILEIROS 
QUE NOS TRAGA A PAZ E UMA PALAVRA FIRME CONTRA A VIOLÊNCIA QUE NOS INFERNIZA
QUE A VERDADE PREVALEÇA SOBRE A MENTIRA
E QUE SUAS ATITUDES DE AMOR E DE SOLIDARIEDADE NOS SIRVAM DE EXEMPLO.

domingo, 14 de julho de 2013

ORAÇÕES DE JOVENS (talvez) TRISTES



Tantos ouvem falar no Criador, em seu Filho, mas nem todos conseguem encontrá-Lo, nem ao menos encontrar a si mesmos. Como saber, então, o que buscar?

Tantos tem tudo o que querem, mas também não O encontram nem se encontram.
E passam a vida assim, alguns procuram, outros desistem.
Como negar, porém, que ELE está nas palavras que se seguem e nos corações dos que as escreveram?
*

"Como seria bom e maravilhoso se cada coração se voltasse a Deus e cada coração levasse sua mensagem a alguém que necessita.

Assim como o lema da Bandeira Nacional, "Ordem e Progresso", Nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, esteja em meu coração, assim como em todos os corações, para uma vida e um mundo melhores."

Esta oração de jovens (talvez) tristes foi criada por Edison, Douglas, Jairo, Marcel Wagner e Rafael José.
Alguém poderia pensar que seriam fieis em oração, ou compositores de uma nova canção religiosa.

Pois saibam que são clientes da Associação Prato de Sopa Monsenhor Moreira, espero que por pouco tempo, que encontrem alguma oportunidade para que suas palavras se tornem realidade. Que realmente consigam uma vida melhor.

A mensagem fez parte de uma dinâmica realizada na instituição.
O Daniel, na foto abaixo, "confeccionou" um televisor com caixa de papelão e, por alguns instantes, nossos amigos se tornaram celebridades.

Foto: camisa polo doada pelo meu irmão a um morador de rua da Associação Prato de Sopa Monsenhor Moreira, olhem como ficou bonito.....ninguém diz, ninguém diz....

Brincadeiras a parte, foi com lágrimas nos olhos que tudo aconteceu, da alma dessas pessoas irradiou a LUZ que nos encheu de emoção e de PAZ.

O cachorrinho da vizinha, que sempre ladra, calou-se naquele instante e o que se ouviu foi o canto dos pássaros, como se Deus os enviasse para anunciar sua presença entre nós.

E todos participaram, alguns mais comovidos que outros, mas todos, muito respeitosos, ouviam atentamente as mensagens como a de Marcelo:

"Eu desejo que todos vivam na Paz e no Amor de Deus."

Seguiram-se outros de seu grupo, do qual fez parte uma moça que é uma graça, Vera Lúcia. Luiz e Fernando completaram a equipe:

"Senhor Deus da infinita bondade, abençoe esta casa em nome do seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém."

"Paz é o Amor de Deus no coração daquele que ama o próximo, quem tem Deus no coração."

"O castigo que estava sobre ele (Jesus) nos trouxe a Paz."

Raphael Henrique Gonçalves, John Paul, Anísio Barros Silva e Antonio Hélio estavam inspirados. Confiram:

"O mundo só terá PAZ quando todos os seres humanos tiverem muita fé em Deus."

"No mastro é erguida a nossa Bandeira e com ela nós temos as cores:
O Azul nos representa o céu,
O Amarelo, o sol!
O Verde, o mar, assim também como a natureza
E o Branco, a paz do interior de Deus."

Foto: doação de camisa polo que meu irmão fez aos frequentadores do Prato de Sopa, observem o look....(Foto de rapazes que frequentam o Prato de Sopa)

Aplaudo o talento de um grupo de anônimos, pois não deixaram seus nomes registrados na cópia que eu recebi:

"Os que amam em tudo sofrem, em tudo padecem
Mas no amor e na paz permanecem."

"PAZ, palavra que o sonho humano alimenta
Que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda."

Algumas palavras soam como preces de lamento, de dor, mas também como manifestação de amor:

Eu sinto muito, por favor, me perdoe. 
Eu te amo muito. Obrigado!

Encerro com uma súplica, que é o desejo de todos nós, para nossos familiares e amigos, para os que sofrem, para os que buscam ajuda, para os que se dedicam a ajudar o próximo, para todos, enfim, para toda a humanidade:

Que a paz e o amor reine em cada um de nossos corações.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

PENSAMENTOS...PALAVRAS...AÇÕES...



"Mantenha seus pensamentos positivos, porque seus pensamentos tornam-se suas palavras. 

Mantenha suas palavras positivas, porque suas palavras tornam-se suas atitudes. 

Mantenha suas atitudes positivas, porque suas atitudes tornam-se seus hábitos. 

Mantenha seus hábitos positivos, porque seus hábitos tornam-se seus valores. 

Mantenha seus valores positivos, porque seus valores ... 

Tornam-se seu destino."

Mahatma Gandhi

quarta-feira, 12 de junho de 2013

QUASE UM FADO...



Feliz Dia dos Namorados...a quem tem companhia e a quem não a tem...
Compartilho este vídeo, que gostei muito!

DIA DE CELEBRAR O AMOR



Palavras de amor, é tudo o que se espera neste dia, cada um de nós buscando a mensagem mais bela e poder dedicar à pessoa mais especial de nossa vida.

Palavras que murmuramos como um carinho que afaga e consegue tocar o coração da pessoa amada.

Doces momentos que deveriam ser eternos.
Paz no coração pedindo pra ficar, mas que abandonamos no primeiro desencontro.

As datas têm esse significado, despertar o sentimento que, muitas vezes, desprezamos no cotidiano.
Alguns momentos são reservados, como a celebração dos namorados.
Mas podemos aproveitar o sentimento que nos envolve para resgatar a dose de amor que nos falta em tudo o que fazemos, em todas as palavras que pronunciamos, até mesmo nos sonhos, nas pequenas realizações e nas grandes conquistas.

Exatamente isso que eu declaro neste momento, todo o meu amor quando manifesto minhas ideia e opiniões, que representam a vontade sincera de contribuir para melhorar a vida das pessoas, minha modesta dose de amor pela humanidade, pela criação daquele a quem amo acima de tudo, Deus, o Pai do amor incondicional.

Descobrimos, então, que esse amor é tão intenso que não se limita ao que oferecemos à família e aos amigos mais próximos.
Impossível imaginar que podemos ultrapassar as barreiras do imaginário e do desconhecido, mas isso acontece no mundo virtual, de repente nos damos conta que podemos amar nossos amigos das redes sociais, que passam a fazer parte da convivência diária, com quem ocupamos parte do nosso tempo e, sem perceber, já ocupam um pedacinho do nosso coração.

Hoje, cada qual celebrando com seu amor, esposa, marido, namorado ou namorada, a chama do amor, porém, é infinita. Por isso, dedico uma linda mensagem a todos vocês, meus amores!!!


segunda-feira, 10 de junho de 2013

ESSE CANDIDATO TEM MEU VOTO

México: gato é lançado candidato


Foto

Um gato foi lançado como “candidato” à prefeitura de Xalapa, capital do estado mexicano de Veracruz. 

"Cansado de votar em ratos? Vote em um gato. Morris para presidente de Xalapa, Veracruz, 2014-2017", diz um dos slogans do animal. 

Mais de 80 mil pessoas já curtiram a página do Candidato Morris no Facebook.

Na coluna de Claudio Humberto

SÚPLICA DE MISERICÓRDIA

Foto: Vazio

Morre o sol decepado nas searas.
Como é triste o restolho das colheitas!
Todas as contas feitas,
Todo o pão entulhado.
Já nem sequer o braço enamorado
Da planura
A cingir a cintura
Das paveias...
Ah! fome insatisfeita, que semeias
E não sabes colher!
Faz outra vez nascer,
Imaginado,
O trigo que nos campos reverdece,
Ondula, grado,
E nunca amadurece!

Miguel Torga, Diário X

Foto: Raul Coelho

VAZIO

Morre o sol decepado nas searas.
Como é triste o restolho das colheitas!
Todas as contas feitas,
Todo o pão entulhado.
Já nem sequer o braço enamorado
Da planura
A cingir a cintura
Das paveias...
Ah! fome insatisfeita, que semeias
E não sabes colher!
Faz outra vez nascer,
Imaginado,
O trigo que nos campos reverdece,
Ondula, grado,
E nunca amadurece!


Miguel Torga


Outros poemas AQUI.

domingo, 9 de junho de 2013

FESTA PORTUGUESA COM CERTEZA - SANTOS SP BRASIL


 
O mês de Junho é um mês de comemorações. Em 10 de Junho celebra-se o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.
O Dia das Comunidades festeja Portugal, sua história e sua cultura, valores que simbolizam no grande poeta Luís de Camões. Relembra-nos o passado glorioso de Portugal, bem presente na sua obra,  como salientou Agustina Bessa-Luiz “o passado que nos honra vale tanto como o presente que nos obriga”. É um dia especial, em que se unem na mesma fé, de espírito, cultura, saudade e carinho todos os portugueses, mesmo os que a vida por algum motivo, obrigou a estar longe de Portugal.
 
Paço Municipal de Santos  
4ª edição do Dia de Portugal ocorre na Praça Mauá neste domingo
De A Tribuna On-line
A maior festa portuguesa do Litoral Paulista está de volta neste domingo. Em sua 4ª edição, o Dia de Portugal ocorre no Centro Histórico, a partir das 9 horas.

A intenção é, mais uma vez, transformar a Praça Mauá em um pedacinho de Portugal. A festa, que engloba celebrações alusivas ao Dia de Portugal, Dia de Camões e Dia das Comunidades Portuguesas, contará com muita música, dança, artesanato e doces típicos.
O objetivo é estreitar os laços entre as comunidades lusitana e santista, através do resgate da cultura do povo português e da valorização da Baixada Santista, como região sob forte influência lusitana.
E, é claro, toda a comunidade está convidada a participar, seja com vestidas com adereços, portando bandeiras, cachecóis ou roupas nas cores verde e vermelha.
Programação
A solenidade de abertura, a partir das 9 horas, terá a presença do cônsul honorário de Portugal em Santos, Armênio Mendes, além de autoridades locais e representantes da comunidade.
Na sequência, dá-se início à maratona cultural, até 18 horas, com 14 apresentações de fadistas, grupos musicais e ranchos folclóricos.
 Festa em BH - Minas Gerais - Brasil
Haverá, ainda, a tenda das bordadeiras do Morro do São Bento, com a milenar arte da Ilha da Madeira. Na gastronomia, doces, como os famosos pastéis de Santa Clara e de Belém, poderão ser apreciados e com o sabor da solidariedade, pois a renda será destinada à Escola Portuguesa, que atende crianças carentes.
Doces Típicos
Também estarão disponíveis postos de arrecadação de alimentos para o Fundo Social de Solidariedade de Santos (FSS).
Para a criançada, a festa contará com atrações especiais, como pintura artística e esculturas de balão.

Homenagem a todos os portugueses que vivem longe de sua terra natal! Mesmo distante somos acolhidos por nossos irmãos brasileiros e outros tantos povos pelo mundo afora!
 

segunda-feira, 27 de maio de 2013

POEMA DE UM AMIGO APRENDIZ CANTADO

A canção "Amigo aprendiz", com música de Tiago Bettencourt e poema de Fernando Pessoa, interpretada por Rodrigo Costa Félix, é apontada, pela revista norte-americana The Atlantic, uma das 12 melhores baladas a ouvir em 2012.





POEMA DE UM AMIGO APRENDIZ 
Quero ser o teu amigo. 
Nem demais e nem de menos. 
Nem tão longe nem tão perto. 
Na medida mais precisa que eu puder. 
Mas amar-te, sem medida, 
e ficar na tua vida 
da maneira mais discreta 
que eu souber. 
Sem tirar-te a liberdade. 
Sem jamais te sufocar. 

Sem forçar tua vontade
Sem falar quando for hora de 
calar,e sem calar, quando 
for hora de falar. 
Nem ausente nem presente por 
demais,simplesmente, 
calmamente, ser-te paz... 
É bonito ser amigo. 
Mas, confesso, 
é tão difícil aprender! 
E por isso 
eu te suplico paciência. 
Vou encher este teu rosto 
de lembranças! 
Dá-me tempo 
de acertar nossas distancias! 

Fernando Pessoa
A revista norte-americana, publicação de referência de temas da atualidade política, econômica e cultural, com sede em Washington, destaca a capacidade inovadora de Rodrigo Costa Félix de não se deixar amarrar à tradição fadista, cuja figura maior e mais amada é Amália Rodrigues, e destaca as suas suspensões, "na interpretação contida", "harmoniosamente apoiada pelos atentos acompanhadores".
Leia mais em DNArtes

Uma homenagem a Fernando Pessoa e à minha terrinha....